Gestão centralizada e coordenada das camas hospitalares é urgente, diz Ordem dos Médicos

Gestão centralizada e coordenada das camas hospitalares é urgente, diz Ordem dos Médicos

O Gabinete de Crise da Ordem dos Médicos (OM) para a COVID-19 e o Bastonário da OM apontam como essencial “investir numa concertação de esforços, acompanhando o anúncio de medidas da alocação dos meios necessários para a sua implementação em tempo útil”.

Resultado de uma reunião extraordinária, em que analisaram a atual situação da Saúde em Portugal, frisam que “o Governo não se pode desresponsabilizar das suas obrigações e deveres e inverter o ónus para a população e profissionais de saúde”, partilhando, no dia 23 de outubro, um conjunto de “recomendações urgentes”.

Considerando que Portugal vive “o momento de maior pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) com risco de rutura e de graves consequências assistenciais em todas as aéreas”, defendem que o Orçamento do Estado para 2021é “insuficiente e não permitirá resolver os grandes problemas”. Neste campo, dizem que o documento não prevê “um imperioso reforço de verbas para que seja concretizadauma adequada gestão e alocação de recursos humanos e técnicos para fazer frente às necessidades assistenciais presentes e futuras da população”.

A gestão coordenada e centralizada a nível regional e nacional das camas de internamento para doentes com COVID-19, com envolvimento do INEM, ANEPC e Forças Armadas, é também apontada como urgente.

A OM e o seu Gabinete de Crise descrevem como “imperiosa” a libertação de profissionais de saúde para atividades mais diferenciadas, nomeadamente para a atividade assistencial não-Covid, através da contratação e gestão coordenada de recursos humanos.

“Dado o risco de sobrecarga, e possível rutura do SNS, devem ser salvaguardados, de imediato, os interesses assistenciais de toda a população através da articulação e ativação em tempo útil com o sector social e privado. Permitir que se chegue a uma fase de emergência fragiliza o Estado e prejudica a população”, sublinham.

Nas recomendações emitidas, encontram-se ainda a aceleração do processo de publicação e divulgação das Normas e Orientações da Direção-Geral da Saúde “e, em particular, a norma sobre a estratégia de testes para SARS-CoV-2 com o enquadramento dos Testes Rápidos de Antigénio”.

Fonte: Ordem dos Médicos

Partilhar

Apoios

Abbvie astrazeneca boehringer BMS
lilly msd Recordati takeda
tecnimede      
Contacte-nos

insidenow@newsfarma.pt


+351 21 850 40 65

Edifício Lisboa Oriente
Av. Infante D. Henrique, 333 H, Esc. 37
1800-282 Lisboa
PORTUGAL

Não tem conta? Registe-se!